Glúten faz mal? Entenda tudo sobre esta substância presente no trigo

Tempo de leitura: 7 minutos

Glúten faz mal

Glúten faz mal?

Esta é a pergunta da vez, e a polêmica do glúten está longe de acabar.

Da minha parte, eu acredito que cada vez mais pessoas vão se conscientizar a respeito dos inconvenientes – para não dizer malefícios – do glúten.

Eu mesma era bastante cética em relação a eliminar o glúten.

Porém, desde que fiz minhas primeiras experiências sem glúten, em 2016, senti uma diferença tão significativa, que foi um caminho sem volta.

Mas eu não eliminei totalmente o glúten da dieta.

Abro exceções quando estou em alguns eventos sociais e familiares.

Na minha rotina, aí sim, o glúten foi eliminado.

E por quê?

Porque eu senti uma diferença muito significativa no que diz respeito a aumento da disposição, diminuição de gases e distensão abdominal, funcionamento do intestino, mudança de humor, fome, para citar alguns sintomas relacionados ao consumo de glúten.

Neste artigo, vou explicar por que o glúten provoca esses e muitos outros sintomas, alguns dos quais a maioria das pessoas nem relaciona a esta substância.

Vamos lá. Para começar:

O que é o glúten?

Glúten faz mal

O glúten é uma proteína presente no trigo, aveia, centeio e cevada.

Para simplificar, glúten seria o equivalente a “trigo”, o cereal que, hoje, está na base da alimentação da população mundial.

(Mas não se esqueça de que o glúten também está na aveia, no centeio e na cevada; este último cereal é a base da cerveja.)

Pode-se dizer que, hoje em dia, “tudo” tem glúten, mas quem elimina o glúten da dieta sabe que isto não é verdade e é simplificar demais a questão.

Por que glúten faz mal?

O glúten provoca uma série de sintomas, porque o nosso organismo tem dificuldade em digeri-lo.

E nosso organismo tem dificuldade em digeri-lo, porque o glúten aumentou muito de tamanho nas últimas décadas, devido às sistemáticas mutações genéticas às quais foi submetido.

Aqui, vale ressaltar que o glúten é o responsável pela elasticidade do pão, é por causa do glúten que o pão é “fofinho”.

Portanto, o glúten sempre esteve no centro dos interesses das mutações genéticas.

Em busca de um pão cada vez mais fofinho, o homem transformou o glúten em um nutriente de difícil digestão para o seu próprio organismo.

Quando chega no intestino…

Ao chegar no intestino, o glúten não é digerido (pois o nosso intestino não tem estrutura para digeri-lo).

Mas esse não é o problema. O problema é que o glúten se cola às paredes intestinais — que são as responsáveis pela absorção dos nutrientes no nosso organismo –, provocando inflamação nelas e prejudicando a absorção correta dos nutrientes.

Isso desencadeia uma resposta imunológica do nosso organismo, claro. Nosso sistema imunológico sempre está pronto a combater uma inflamação.

Porém, como o consumo de glúten nos dias de hoje é muito frequente, o que acaba acontecendo é que o nosso sistema imunológico não dá conta e essa inflamação torna-se crônica.

Um processo inflamatório crônico pode ser muito prejudicial à nossa saúde e, infelizmente, nós já estamos vivenciando isso: as doenças crônicas não-transmissíveis — sobrepeso, hipertensão, diabetes, para citar algumas — não param de aumentar.

Mas a maioria das pessoas não tem consciência disso.

Eu também não tinha consciência, até o dia em que decidi ficar um tempo sem glúten.

Só então, notei a imensa diferença.

Sintomas relacionados ao glúten

Dor de barriga

Em seu livro A Dieta da Mente, cuja leitura eu recomendo, o médico americano David Perlmutter é enfático ao associar os mais variados sintomas ao consumo de glúten.

Sintomas que vão desde gases, constipação, síndrome do intestino irritável, enxaquecas, úlceras, obesidade, mudanças repentinas de humor até depressão, câncer e transtornos neurológicos graves, como mal de Alzheimer.

Em geral, as pessoas não associam diretamente essas doenças e sintomas ao consumo de glúten, mas eles podem, sim, ser consequência de uma hipersensibilidade ao glúten.

Doença Celíaca

Enquanto milhões de pessoas possuem algum tipo de hipersensibilidade ao glúten, mas não sabem, um pequeno grupo sofre com sintomas mais graves.

São os celíacos.

A resposta do organismo dos celíacos ao consumo de glúten é imediata.

Em geral, ela vem em forma de diarreias crônicas, dores de estômago, gases excessivos, erupções cutâneas, entre outros sintomas.

Os celíacos estão no grupo de pessoas que devem eliminar totalmente o consumo de trigo e de outros cereais que contêm glúten.

Ainda assim, milhares de celíacos têm a doença sem saber.

Alimentos que contêm glúten

Glúten faz mal

Os alimentos mais comuns que contêm glúten são:

  • Pão, tanto o branco como o integral
  • Massas e lasanhas
  • Pizzas, esfihas, crepes e panquecas
  • Bolos e tortas
  • Bolachas, biscoitos, donuts, cupcakes

Essas são as receitas que costumamos fazer em casa, pedir no restaurante ou comprar em estabelecimentos comerciais.

Mas o glúten também está presente na maior parte dos produtos industrializados , mesmo naqueles que não deveriam contê-lo, como chocolates e sorvetes.

Na dúvida, sempre leia o rótulo.

Ou pergunte no estabelecimento comercial ou no restaurante se existe uma variação da receita sem glúten.

Alimentos que não contêm glúten

Salda com ovo

Agora sim, estamos falando de comida de verdade!

Muitos acham que, eliminando o glúten da dieta, ela fica mais restrita.

Do meu ponto de vista, ela fica mais variada.

Porque somos obrigados a variar nos vegetais, frutas, gorduras e proteínas, e também a experimentar novas fontes de carboidratos.

Fontes saudáveis de carboidratos são:

  • Tubérculos como mandioca, mandioquinha (ou batata baroa), inhame, cará, batata doce
  • Grãos como arroz basmati, quinoa e amaranto

Se você quer saber mais quais alimentos deve consumir, neste artigo aqui eu dou uma lista variada dos alimentos que você pode comer à vontade e que não contêm glúten.

Receitas sem glúten

É claro que todos nós gostamos de um pão, um bolo, uma torta, de vez em quando.

Para estas ocasiões, é possível fazer uma receita sem glúten, utilizando outros tipos de farinha que não a de trigo.

Neste caso, eu recomendo que você conheça o ebook Guia da Receita Saudável, criado por Carla Basílio. Nele, você vai conhecer receitas deliciosas de pães e sobremesas que não levam trigo.

Brownie de nuts, uma das receitas do livro

E, caso você queira se aprofundar nessa questão do glúten, sugiro a seguinte bibliografia:

Bibliografia

  • Vídeo do dr. Victor Sorrentino sobre a diferença entre Hipersensibilidade ao Glúten e a Doença Celíaca: https://youtu.be/8MlGXogQIg0
  • Vídeo do dr. Juliano Pimentel sobre por que glúten faz mal: https://youtu.be/kX4SB9n1vL0
  • Livro A Dieta da Mente – A Surpreendente Verdade sobre o Glúten e os Carboidratos – os Assassinos Silenciosos do seu Cérebro, do médico americano David Perlmutter
  • Artigo do especialista John Douillard sobre as mutações genéticas do trigo: https://lifespa.com/gmo-roundup-wheat-get-facts/

 

Summary
Review Date
Reviewed Item
Glúten
Author Rating
51star1star1star1star1star